segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Caxuxa, a bruxa

Caxuxa, a bruxa

Caxuxa era uma bruxa,
Mas puxa...  um pouco gorducha
Para uma bruxa.

Todo dia, o mesmo vexame
Vestia o chapéu e o cinturão,
Subia na vassoura,
Não saia do chão.

Só pensava em comer,
Não tinha sossego.
Virava e mexia no tacho
Xarope de asas de morcego.

Não perdia a deixa
De chupar sorvete de ameixa.

Comia chicória, comia salsicha,
Mas sua grande glória
Era chiclete sabor lagartixa.

Claudia Fragata. Caxuxa, a bruxa.
Revista Recreio especial Era uma vez... nº. 1.abril, 2003
São Paulo,