sábado, 28 de junho de 2014

Mudanças na escola

Curso de Formação Continuada de Professores
Atendimento Educacional Especializado
AEE e Metodologia da Pesquisa

Maria de Jesus Lima Rodrigues[1]







         Pensamentos a partir das principais ideias do texto, “O modelo dos modelos” de Ítalo Calvino em anexo, e o relacionamento destes fragmentos com Atendimento Educacional Especializado – AEE.

 Mudanças na escola


        A partir da Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva Inclusiva (2008) a escola comum vem se organizando, tendo como preceito de que, cada aluno tem a possibilidade de aprender a partir de suas capacidades e habilidades. Tendo como objetivo romper, desvencilhar-se da época em que se construía um modelo de educação para iguais, ignorando as diferenças, e a capacidade que todos têm de aprender.
        O antigo modelo de educação que homogeneizava as salas de aulas e que ainda existe na mente  de alguns e/ou faz parte da realidade de alguns, aos poucos vem  se transformando.  A escola comum inclusiva rompe com o modelo   seletivo excludente que ditava quem podia frequentar as escolas, e com a mesma ideia seletiva, a própria família, adepta ao contexto cultural excludente aceitava esta cruel realidade, não reivindicava o direito de seus filhos com deficiência de aprender e exercer os seus diretos de cidadão.
A nova proposta de educação não espera que os modelos imaginários coincidam com a realidade diminuindo assim a exclusão dos alunos que não atendem o perfil idealizado pelas instituições de ensino e garantindo o direito a diferença, pensando a escola como um espaço de todos.
         A escola atual discute e contrapõe suas praticas e reconhece as diferenças dos seus alunos, busca alternativas e práticas educacionais compatíveis com seus alunos.
        Uma das inovações oferecidas pela maioria das escolas brasileiras em parceria com o Ministério da Educação trazidas pela Politica Nacional de Educação Especial na Perspectiva Inclusiva (2008) é o Atendimento Educacional Especializado – AEE.  Um trabalho da educação especial  “[...] identifica, elabora e organiza recursos pedagógicos e de acessibilidade, que eliminem as barreiras para a plena participação dos alunos, considerando suas necessidades especificas" (SEESP/MEC,2008).
        Alguns educadores ainda não moldaram as suas práticas, mas as oportunidades e iniciativas começam a aparecer visando mudanças nesta realidade. Cursos de formação continuadas destinados a profissionais da educação são oferecidas pelo MEC em parceria com outras instituições de ensino, e também muitos materiais estão disponíveis para auto estudo na plataforma do Ministério da Educação.
        No dia a dia na escola educadores  deparam-se com as diferenças e muitas das vezes não sabem muito como lidar com elas, mas devemos apagar da mente os modelos imaginários construídos e arraigados em nossas entranhas culturais, e reconstruir um novo modelo embasado na valorização das diferenças.


Referências
BRASL, Ministério da Educação. Secretaria d Educação Especial. Politica Nacional da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Inclusão: revista da educação especial, v. 4, n 1, janeiro/junho 2008. Basilia: MEC/SEESP, 2008.
CALVINO, Ítalo. O modelo dos modelos. Retirado do site: . Acessado em: 14 de junho de 2014.


ANEXO

“O modelo dos modelos”
Italo Calvino

Houve na vida do senhor Palomar uma época em que sua regra era esta: primeiro, construir um modelo na mente, o mais perfeito, lógico, geométrico possível; segundo, verificar se tal modelo se adapta aos casos práticos observáveis na experiência; terceiro, proceder às correções necessárias para que modelo e realidade coincidam. [..] Mas se por um instante ele deixava de fixar a harmoniosa figura geométrica desenhada no céu dos modelos ideais, saltava a seus olhos uma paisagem humana em que a monstruosidade e os desastres não eram de todo desaparecidos e as linhas do desenho surgiam deformadas e retorcidas. [...] A regra do senhor Palomar foi aos poucos se modificando: agora já desejava uma grande variedade de modelos, se possível transformáveis uns nos outros segundo um procedimento combinatório, para encontrar aquele que se adaptasse melhor a uma realidade que por sua vez fosse feita de tantas realidades distintas, no tempo e no espaço. [...] Analisando assim as coisas, o modelo dos modelos almejado por Palomar deverá servir para obter modelos transparentes, diáfanos, sutis como teias de aranha; talvez até mesmo para dissolver os modelos, ou até mesmo para dissolver-se a si próprio.
Neste ponto só restava a Palomar apagar da mente os modelos e os modelos de modelos. Completado também esse passo, eis que ele se depara face a face com a realidade mal padronizável e não homogeneizável, formulando os seus “sins”, os seus “nãos”, os seus “mas”. Para fazer isto, melhor é que a mente permaneça desembaraçada, mobiliada apenas com a memória de fragmentos de experiências e de princípios subentendidos e não demonstráveis. Não é uma linha de conduta da qual possa extrair satisfações especiais, mas é a única que lhe parece praticável.





[1] Cursista. Atividade do blog. 2ª Semana.